Engenheiro cria martelo de Thor que apenas ele pode levantar

O engenheiro elétrico Allen Pan recriou o objeto mais desejado pelos fãs de quadrinhos e filmes do persoangem Thor: o martelo Mjolnir. Na mitologia nórdica, o objeto é tão pesado que apenas Thor, com sua força descomunal, consegue movê-lo.

Para ter o mesmo poder do deus do trovão, Pan construiu e programou o martelo para responder apenas ao toque de seu criador. Como? Usando sensores de impressão digital e o eletromagnetismo.

Sendo mais específico, o engenheiro colocou dentro do objeto um transformador de micro-ondas com um eletroímã, que usa energia elétrica para produzir um campo magnético. Isso cria uma atração magnética tão forte com superfícies de metal, que o martelo fica extremamente pesado. 

O braço do Mjolnir é ligado a um sensor de toque capacitivo que serve como um aparelho de comutação. Desse modo, quando alguém agarra o punho, os eletromagnetos se unem e o martelo “gruda” na superfície de metal.

Para desligar este campo magnético e ser o único capaz a levantar o martelo, Pan colocou um sensor de impressões digitais que reconhece apenas as suas digitais. Assim, quando ele encosta o dedo no sensor, que está localizado no braço do martelo, o campo se dissipa e permite que o engenheiro levante o objeto.

Conhecido por seu canal do YouTube, o Suficciently Advanced, Pan decidiu gravar um vídeo com a réplica na praia de Venice, na Califórnia. Ele colocou o martelo sobre uma superfície de metal e pediu para que as pessoas tentassem levantar o objeto.

As cenas dos indivíduos se esforçando para tirar o objeto do local são, no mínimo, engraçadas. Para entender como o martelo foi feito e ver a brincadeira de Pan, clique no vídeo (em inglês) abaixo:


Exame

Postagens mais visitadas deste blog

Inhame o alimento é aliado das mulheres

Tive que fazer meu sequestrador se apaixonar por mim

Turista de Sorocaba (SP) morre em acidente no Beach Park

Retorno de Ana Furtado ao ‘É de Casa’ dá o que falar na internet

Depois da comemoração, o que acontece com a taça da Copa do Mundo

Android pode não ser mais gratuito