Saiba como vai funcionar o centro de gastronomia de Belém

O Centro Global de Gastronomia e Biodiversidade será inaugurado em Belém, em agosto de 2016. É uma iniciativa inédita que reúne os institutos Atá e Paulo Martins e o Centro de Empreendedorismo da Amazônia. O coordenador do projeto é Roberto Smeraldi, colunista do Paladar, diretor da Oscip Amigos da Amazônia e do Instituto Atá.

Participam do projeto também o Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o Instituto Sócio-Ambiental, o Centro das Populações Tradicionais e Extrativistas, o Instituto Peabirú e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do Pará.

O centro terá uma escola, um laboratório, um restaurante, um barco-cozinha e um museu. De Milão, onde esteve para o lançamento da iniciativa, na ExpoMilão, Smeraldi explicou como o centro vai funcionar, a partir de 2017.

Escola. Terá um curso de pós-graduação para profissionais da área que queiram se aprofundar em gastronomia e biodiversidade, com duração de um ano. “O desafio é que queremos trazer a índia que faz pimenta para ser professora, mas ela não preenche os requisitos exigidos para órgãos reguladores. Estamos em conversas com a Federal do Pará para achar soluções.” Haverá também cursos curtos, básicos, para quem quiser conhecer a Amazônia pela gastronomia.

Laboratório. Terá duas frentes de ação. A primeira visa solucionar um problema frequente na região, ajudando produtores a obter certificação para que possam entrar no mercado. “Muita gente tem um produto interessante que quer colocar no mercado, mas não consegue por falta de regularização. Esse é o drama do acesso ao produto amazônico”, diz Smeraldi. A outra frente estudará o bioma microbiológico do solo da floresta.

Restaurante. Instalado na Casa das 11 Janelas, marco histórico e arquitetônico belenense, será um restaurante “forest-to-table”, da floresta para a mesa. No píer diante do prédio, a proposta é que os extrativistas e produtores das 39 ilhas ao redor de Belém levem seus produtos para ser usados na cozinha, que terá chefs visitantes e menus temporários. No mesmo píer, ficará atracado o barco-cozinha.

Barco-cozinha. “Queremos combater o extrativismo puro e simples. Vamos ter uma cozinha completa e tecnológica para levar chefs e pesquisadores até o ingrediente”, diz Smeraldi. Além das expedições de pesquisa, o barco vai fazer roteiros turísticos temáticos, como a rota do cacau, das mandiocas…

Museu. Vai explorar a gastronomia e biodiversidade amazônica com experiências sensoriais. “Qual é o gosto ácido da floresta? O que é o doce na Amazônia”, exemplifica Smeraldi.

Paladar

Postagens mais visitadas deste blog

Inhame o alimento é aliado das mulheres

Tive que fazer meu sequestrador se apaixonar por mim

Turista de Sorocaba (SP) morre em acidente no Beach Park

Retorno de Ana Furtado ao ‘É de Casa’ dá o que falar na internet

Depois da comemoração, o que acontece com a taça da Copa do Mundo

Android pode não ser mais gratuito