Trabalhadores de fábrica da Fiat fazem greve contra contratação de Cristiano Ronaldo


A contratação de Cristiano Ronaldo pela Juventus provocou nesta quarta-feira, 11, um curto-circuito nos vasos comunicantes do império Agnelli. Além do time de futebol de Turim, a família possui 30% do grupo automobilístico ítalo-americano Fiat-Chrysler. Uma empresa que continua fabricando parte de suas peças na fábrica de Melfi, na região da Basilicata (sul), onde os trabalhadores consideram uma ofensa que o grupo tenha gasto 112 milhões de euros (507 milhões de reais) na contratação do português (mais 30 milhões de euros anuais de luvas), enquanto nos últimos anos exige de seus operários que apertem o cinto. Diante dessa operação, o sindicato USB (União Sindical de Base) anunciou que os trabalhadores farão uma greve de 15 a 17 de julho.

O sindicato começou sua ofensiva nesta terça com dezenas de cartazes na fábrica e um comunicado. “É inaceitável que enquanto a companhia continua pedindo aos trabalhadores da FCA e da CNHI [outra empresa pertencente à família Agnelli] enormes sacrifícios em nível econômico, ela decida gastar centenas de milhões para a contratação de um jogador de futebol”, disse o comunicado. “É correto tudo isto? É normal que uma só pessoa ganhe milhões, e milhares de famílias não cheguem na metade do mês? Somos todos trabalhadores do mesmo dono, porém mais do que nunca neste momento de enorme dificuldade social esta diferença de tratamento não pode e não deve ser aceita”, acrescenta o texto.

O conflito trabalhista na fábrica de Melfi já dura anos e não tem a ver apenas com os salários. Em abril passado, a USB publicou um comunicado em que lamentava o fato de que os operários da FCA de Melfi tivessem que usar “roupas robotizadas” para fazer frente a uma “posição de trabalho evidentemente insustentável”. No comunicado, a organização sindical lamenta que “os trabalhadores da FCA ganharam a fortuna dos proprietários durante ao menos três gerações” e que “a única coisa” que receberam em troca durante todo este tempo foi “uma vida de miséria”.


A família Agnelli deu a entender nos últimos dias que a operação Ronaldo – que custará ao todo 350 milhões de euros para a Juventus – estará desvinculada das contas da Fiat. Na verdade, a UEFA não permitiria que a empresa automobilística participasse da contratação mais cara da história do futebol italiano. Outra coisa será se CR7 se transformar na imagem da marca de agora em diante.

Fonte: Elpais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paola Carosella dá bronca polêmica em participante do MasterChef

Depois da comemoração, o que acontece com a taça da Copa do Mundo

Inhame o alimento é aliado das mulheres

Tive que fazer meu sequestrador se apaixonar por mim

Adrenalina e calma: modelo conta como escapou de mordida de tubarão

Brasileira leva filho a hospital e encontra marido morto ao voltar para casa